Anjos da Nefrologia

Anjos da Nefrologia

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Conheça Nossos Patrocinadores

instagram: @r1runnersclub

CLM Engenharia

Quem Somos?

       Os Anjos da Nefrologia é um projeto voluntário e sem fins lucrativos, composto por 7 (sete) Enfermeiros e Pós-graduandos em Enfermagem em Nefrologia do Grupo Kuality Brasil pela UNIASSELVI (Centro Universitário Leonardo da Vinci).

       Tendo como objetivo fornecer orientações à população sobre promoção, prevenção da DOENÇA RENAL CRÔNICA e educação em saúde sobre a importância da saúde renal e suas complicações. Visto que, no Brasil cerca de dez milhões de pessoas têm alguma disfunção renal. A prevalência de doença renal crônica é de 50/100.000 habitantes, inferior a outros países. 

Integrantes











WOLBER HERNANDES BARBOSA PEREIRA 
Graduado em Enfermagem - UNIT
Pós-graduando em Enfermagem em Nefrologia - UNIASSELVI
Pós-graduando em Enfermagem em Cardiologia- UNIT
Presidente do Projeto Anjos da Nefrologia





MARIA APARECIDA DOS SANTOS LIMA  
Graduada em Enfermagem - FASE
Pós-graduanda em Enfermagem em Nefrologia - UNIASSELVI
Pós-graduanda em Obstetrícia e Neonatologia - FAC. JARDINS
Vice - Presidente do Projeto Anjos da Nefrologia









DÔRLAMES DE CARVALHO CARDOSO 
Graduada em Enfermagem - UNIT
Graduada em Ciências Biológicas - UNIT 
Pós-graduanda em Enfermagem em Nefrologia - UNIASSELVI
Coordenadora do Projeto Anjos da Nefrologia













EDÊNIA SILVEIRA ARAUJO 
Graduada em Enfermagem - UNIT
Pós-graduanda em Enfermagem em Nefrologia - UNIASSELVI
Pós-graduada em Auditoria em Saúde 







DANIELE SILVA SANTANA
Graduada em Enfermagem -UNIT
Pós-graduanda em Enfermagem em Nefrologia - UNIASSELVI
Pós-graduanda em Enfermagem do Trabalho - FASE
Residência em Saúde da Família - UFS













CRISTIANE REGINA PEREIRA DOS SANTOS 
Graduada em Enfermagem -FASE
Pós-graduanda em Enfermagem em Nefrologia - UNIASSELVI









ALINE DOURADO DA SILVA MIRANDA
Graduada em Enfermagem -UFS
Pós-graduanda em Enfermagem em Nefrologia - UNIASSELVI
Pós-graduanda em Oncologia -UNYLEYA




segunda-feira, 17 de julho de 2017

Curiosidades

http://monroevillein.com/wp-content/uploads/2015/06/Question-Mark.png

Você sabia que um corpo atlético não significa que seu rim funciona perfeitamente?

           A recomendação de proteína é de 1,2 a no máximo 2,0 gramas por quilo de peso/dia. Por exemplo, um homem de 70 quilos pode consumir no máximo 140 gramas de proteína no dia. Entretanto, tem muita gente passando desse limite.
             A pessoa quando está de dieta e corta o pão, o arroz, o feijão, a salada, a fruta... O que sobra? A carne, o leite, o ovo, alem de outra fonte de proteína como suplementos à base de whey protein.
            A Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) alerta para a importância de não tomar qualquer tipo de suplemento sem orientação médica e a necessidade de verificar sempre a lista de produtos proibidos pela Anvisa.
       Com isso, quando o indivíduo consome mais proteína que o indicado, acontece uma hiperfiltração nos rins por conta do excesso de ureia, pois a ureia é uma substância produzida no fígado a partir da amônia, resultante do metabolismo das proteínas, sendo eliminada através da urina.ou seja, os rins trabalham mais para excretar a ureia e isso pode, em longo prazo, causar problemas como hipertensão, diabetes e inflamação nos rins.

A diálise peritonial é melhor do que a hemodiálise?

          Os resultados dos tratamentos por diálise peritoneal e hemodiálise são iguais. Cada um deles tem as suas vantagens e desvantagens. A escolha entre hemodiálise e diálise peritoneal depende das condições clínicas e da escolha do próprio paciente.
          É possível que durante algum tempo o paciente faça diálise peritoneal e depois passe para a hemodiálise. Ou até mesmo ao contrário, faça um tempo hemodiálise e depois passe para diálise peritoneal. Estas opções são sempre decididas em conjunto, entre o médico nefrologista e o paciente. Após tomar conhecimento do procedimento, o paciente juntamente com seu nefrologista e familiares estarão aptos a tomar uma decisão que seja a melhor possível para determinada situação.

Você Sabia?

  • Pacientes que fazem 3 sessões de hemodiálise de 4 horas por sessão, estão expostos à aproximadamente 360 litros de água por semana, 25 vezes mais que a exposição à água pela ingesta diária.
  • A cada 24horas são filtrados 180 litros de líquido, para formar 1 a 1,5L de urina.
  • É comum encontrarmos pessoas com manchas escuras na região do pescoço. Isso pode ser o que chamamos de Acantose Nigricans. Podem aparecer também na região das axilas, região inguinal (virilha) dentre outros locais. O que muitos não sabem é que estas manchas podem significar diabetes. Muitas vezes essas lesões são confundidas com sujeira, e a própria pessoa esfrega bastante esta região na hora do banho na esperança de retirá-las. É importante frisar que isso nada tem a ver com má higiene. Elas podem ser um sinal clínico do que chamamos de resistência insulínica, ou seja, nosso organismo tem que fabricar cada vez mais este hormônio (a insulina) para controlar os níveis sanguíneos de glicose (o açúcar do sangue). Chega um determinado momento que nosso corpo não consegue mais fabricar tanta insulina e então o diabetes aparece.
  • O paciente que faz hemodiálise pode viajar normalmente. Para isso, basta informar-se com a clínica da cidade de destino sobre a disponibilidade para recebê-lo.
  • Existem leis que garantem diversos benefícios a portadores de doença renal crônica. Entre esses direitos, podemos citar o acesso a medicamentos básicos e a tratamento gratuito, a isenção do imposto de renda, além do auxílio-doença para aqueles segurados pelo INSS.

Como Prevenir a DRC?

Para prevenir deve seguir 8 regras.
 
As 8 regras de ouro é um bom início para a prevenção da DRC:


  1. Mantenha-se em forma e pratique atividade física regularmente.
  2. Controle o nível de açúcar no sangue (glicemia) para evitar o diabetes.
  3. Monitore sua pressão arterial.
  4. Mantenha sua alimentação saudável e evite o sobrepeso.
  5. Mantenha-se hidratado, tomando líquidos não alcóolicos.
  6. Não fume.
  7. Não tome remédios sem orientação médica.
  8. Consulte um médico regularmente para verificar a situação dos seus rins.

ALIMENTAÇÃO / ATIVIDADE FÍSICA

Atualizando...

Quem está no grupo de risco para DRC?



  1. Hipertensos: A hipertensão arterial é comum na DRC, podendo ocorrer em mais de 75% dos pacientes de qualquer idade;
  2. Diabéticos: Os pacientes diabéticos apresentam risco aumentado para DRC e doença cardiovascular e devem ser monitorizados frequentemente para a ocorrência da lesão renal;
  3. Idosos: A diminuição fisiológica da FG e, as lesões renais que ocorrem com a idade, secundárias a doenças crônicas comuns em pacientes de idade avançada, tornam os idosos susceptíveis a DRC;
  4. Pacientes com doença cardiovascular (DCV): A DRC é considerada fator de risco para DCV e estudo recente demonstrou que a DCV se associa independentemente com diminuição da FG e com a ocorrência de DRC; 
  5. Familiares de pacientes portadores de DRC: Os familiares de pacientes portadores de DRC apresentam prevalência aumentada de hipertensão arterial, Diabetes mellitus, proteinúria e doença renal.
  6. Pacientes em uso de medicações nefrotóxicas: O uso de medicações nefrotóxicas deveria ser evitado ou otimizado nos pacientes com DRC, particularmente quando a FG é menor que 60 mL/min/1,73m2.

HIPERTENSÃO ARTERIAL

       Pressão Arterial é a força do sangue contra as paredes das artérias por onde passa o sangue que é bombeado do coração para todos os órgãos e tecidos. A hipertensão arterial, ocorre quando há um grande aumento da pressão já existente dentro das artérias do coração. Sendo a principal causa de DRC, segundo o Ministério da Saúde. 

                  Valores da Pressão Arterial

PAD
(mmHg)
PAS
(mmHg)
Classificação
80
120
Normal
81-89
121-139
Pré-hipertensão
90-99
140-159
Hipertensão estágio 1
100-109
160-179
Hipertensão estágio 2
110
180
Hipertensão estágio 3

Fatores de Risco (HAS)

  • Obesidade; 
  • Tabagismo;
  • Sedentarismo;
  • Estresse;
  • Alimentação rica em sal e gordura;

Como prevenir:

  • Mudança de Hábitos de vida;
  • Diminuir o consumo de sal, embutido e enlatados;
  • Reduzir o consumo de bebidas alcoólicas; 

DIABETES

       Diabetes Mellitus é uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue (hiperglicemia). Pode ocorrer devido a defeitos na secreção ou na ação do hormônio insulina, que é produzido no pâncreas, pelas chamadas células beta. A função principal da insulina é promover a entrada de glicose para as células do organismo de forma que ela possa ser aproveitada para as diversas atividades celulares. A falta da insulina ou um defeito na sua ação resulta portanto em acúmulo de glicose no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.

Classificação do Diabetes

       Sabemos hoje que diversas condições que podem levar ao diabetes, porém a grande maioria dos casos está dividida em dois grupos: Diabetes Tipo 1 e Diabetes Tipo 2.

Diabetes Tipo 1 (DM 1) - Essa forma de diabetes é resultado da destruição das células , pela formação de anticorpos pelo próprio organismo contra as células, levando a deficiência de insulina. Nesse caso podemos detectar em exames de sangue a presença desses anticorpos.

Diabetes Tipo 2 (DM 2) - Nesta forma de diabetes está incluída a grande maioria dos casos (cerca de 90% dos pacientes diabéticos). Nesses pacientes, a insulina é produzida pelas células, porém, sua ação está dificultada, caracterizando um quadro de resistência insulínica. Isso vai levar a um aumento da produção de insulina para tentar manter a glicose em níveis normais, surge o diabetes.

Diabetes Gestacional - Atenção especial deve ser dada ao diabetes diagnosticado durante a gestação. A ele é dado o nome de Diabetes Gestacional. Pode ser transitório ou não e, ao término da gravidez, a paciente deve ser investigada e acompanhada.

Como Posso Saber se Estou Diabético?

       O diagnóstico laboratorial pode ser feito de três formas e, caso positivo, deve ser confirmado em outra ocasião. São considerados positivos os que apresentarem os seguintes resultados:

  1. glicemia de jejum > 126 mg/dl (jejum de 8 horas)
  2. glicemia casual (colhida em qualquer horário do dia, independente da última refeição realizada (> 200 mg/dl em paciente com sintomas característicos de diabetes.
  3. glicemia > 200 mg/dl duas horas após sobrecarga oral de 75 gramas de glicose.

       Existem ainda dois grupos de pacientes, identificados por esses mesmos exames, que devem ser acompanhados de perto pois tem grande chance de tornarem-se diabéticos. Na verdade esses pacientes já devem ser submetidos a um tratamento preventivo que inclui mudança de hábitos alimentares, prática de atividade física ou mesmo a introdução de medicamentos. São eles:

(a) glicemia de jejum > 110mg/dl e < 126 mg/dl.
(b) glicemia 2 horas após sobrecarga de 75 gr de glicose oral entre 140 mg/dl e 200 mg/dl.

       O diagnóstico precoce do diabetes é importante não só para prevenção das complicações agudas já descritas, como também para a prevenção de complicações crônicas.